Exportação de carne bovina brasileira à China deve diminuir devido a acordo de Trump com governo chinês

Nos últimos anos, a dependência da China no Brasil cresceu no comércio da carne bovina, mas isso deve mudar nos próximos meses

A China liberou a importação de carne bovina brasileira para os lotes certificados antes do embargo.

 

Segundo apuração do analista de Internacional da CNN, Lourival Sant’Anna, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, teria ficado meses tentando marcar uma reunião para resolver questões com o país, que deve diminuir a importação da carne brasileira nos próximos meses.

De acordo com uma fonte ouvida por Lourival, a ministra teria tentando marcar uma reunião com o ministro da Agricultura da China há cerca de quatro meses e que ele teria negado. Tereza Cristina perguntou, então, se a reunião poderia ser remota, e a resposta também foi negativa.

O Ministro da Agricultura nega a informação, dizendo que “a ministra Tereza Cristina disse que, se necessário, poderia ir à China para tratar do assunto. As reuniões estão sendo realizadas entre as áreas técnicas”.

Outras fontes ouvidas por Lourival Sant’Anna dizem que a relação ruim entre os governos do Brasil e da China não significa que o embargo da carne seja uma retaliação, mas que, se houvesse relações melhores, essa crise não teria durado tanto. Haveria um incentivo maior, por parte da China, para resolver a questão mais brevemente.

O embargo marca a maior crise comercial da história de 47 anos de relações comerciais entre Brasil e China. Os próprios produtores brasileiros não imaginavam que duraria tanto e chegaram a despachar as carnes pelos contêineres na esperança de que a situação já fosse resolvida ao chegar lá.

Em meio ao embargo da carne brasileira, houve uma grande diminuição no preço da carne de porco na China devido à superação da peste suína africana, o que contribuiu para que o país não tivesse pressa alguma para revogar o embargo.

Na segunda semana de outubro deste ano, a carne suína estava 60% mais barata na China em relação a 2020. Na terceira semana de novembro, também houve uma nova queda de 39% em relação ao ano passado.

Nos últimos anos, a dependência da China no Brasil cresceu no comércio da carne bovina: entre 2019 e 2020, as importações cresceram de 25% para 43%, enquanto a dependência em outros países, como Argentina e Austrália, caía.

A tendência, agora, é que a participação da carne brasileira no país também caia, devido ao acordo que foi feito ainda no governo Donald Trump da China aumentar em US$ 200 bilhões a importação de produtos agropecuários americanos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista AviSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

logo (1)

Na 38a edição da Conferência FACTA 2021, dois dos quatro prêmios José Maria Lamas da Silva, concedidos para os melhores trabalhos científicos nas áreas de Produção e Outras Áreas, utilizaram modalidades de inteligência artificial com modelos fuzzy e mineração de dados em Avicultura de Precisão. Página 32.

Capturar-2

Encontrar com rapidez e precisão o ponto ideal de atuação economiza tempo e dinheiro e faz com que as empresas percebam rapidamente o retorno positivo das estratégias definidas e ações corretivas adotadas. Página 22.

Capturar-3

Em entrevista exclusiva à Revista do AviSite, Ivan Siqueira, diretor do negócio Aves Pesadas da Seara conta como a empresa está priorizando itens de maior valor agregado e dá detalhes sobre os passos da empresa para o segundo semestre de 2021.

Capturar-4

Você sabia que pintainhos possuem bactérias no sistema digestório antes mesmo de eclodirem? Para entender de onde vêm as bactérias nos pintainhos recém eclodidos, é importante compreender as diversas possibilidades de colonização bacteriana precoce. Apesar do que muitos acreditam, os ovos férteis, mesmo passando por diferentes formas de higienização e desinfecção, não são estéreis. Página 54.

Capturar-5

A cadeia da produção animal está novamente colocada diante do desafio do aumento de custos de matérias-primas em várias frentes. O milho chama atenção, mas soja e os micro ingredientes também encareceram, tanto pela quebra de safras, entre outros fatores, quanto pelo aumento do dólar. Se a alta de custos dos ingredientes é uma realidade, a tecnologia pode apontar caminhos. Página 36.

Capturar-6

Os carboidratos representam a principal fonte de energia na alimentação animal. Eles são encontrados principalmente em cereais ou subprodutos de cereais. Contudo, além do amido, os principais carboidratos ricos em energia, os cerais contém polissacarídeos não amiláceos (PNAs) ricos em energia, os cerais contém polissacarídeos que não são facilmente digeridos no intestino delgado de aves e suínos. Página 50.

Capturar-7

O custo das matérias-primas tem impactado no aumento do custo das rações de frangos de corte, sendo que, o potencial de aproveitamento dos nutrientes das rações pode ser melhor explorado com o uso de estratégias capazes de otimizar a digestibilidade e a absorção destes nutrientes, garantindo assim, a redução do custo final das formulações e/ou otimização do potencial genético das aves. Página 60.

Capturar-8

Quem se dedicou à tarefa de analisar os balanços das duas principais empresas do setor no segundo trimestre de 2021 deve ter notado que, embora fortes concorrentes entre si, ambas apresentaram pelo menos um argumento em comum para justificar os fracos resultados do período: o encarecimento do custo de produção naquele que, provavelmente, é o momento mais difícil e desafiante da economia e do consumidor brasileiro. Página 62.

Open chat
Fale agora no WhatsApp