Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Fórum
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Sexta-feira, 22/09/2017
Siga-nos:
CLIPPINGS
São Paulo, SP, 21/06/2017 |

JBS põe mais ativos à venda e atrai grupo chinês



Anunciado na manhã de ontem, o novo plano de desinvestimentos da JBS tem na irlandesa Moy Park, segunda maior empresa de carne de frango do Reino Unido, seu principal ativo. Do total de R$ 6 bilhões que a JBS informou que pretende arrecadar com o plano, mais da metade poderá vir da venda da subsidiária europeia. O "pacote" também inclui uma participação de 19,2% na empresa de lácteos Vigor - controlada pela J&F Investimentos, holding da família Batista -, a Five Rivers, que é dona de confinamentos de gado nos Estados Unidos, e fazendas.

Quando comprou a Moy Park da concorrente brasileira Marfrig, em 2015, a JBS pagou US$ 1,5 bilhão, incluindo a assunção de US$ 293 milhões em dívidas. Dada a situação da JBS, a expectativa é que os interessados barganhem mas a companhia irlandesa deve se confirmar uma boa fonte de recursos. Segundo uma fonte próxima à JBS, a Moy Park já desperta o interesse de concorrentes e tem até um candidato natural: o grupo chinês WH, que controla a americana Smithfield Foods, maior empresa produtora de carne suína do mundo.

Em uma rara entrevista, o diretor de Relações com Investidores do grupo chinês, Luis Chein, disse recentemente à agência Reuters que os alvos da expansão do grupo são Europa e EUA, e que a intenção é avançar nos mercados de carne bovina e de frango. A JBS não informou se já há negociações em curso envolvendo os ativos que fazem parte do plano de desinvestimentos. Mas observadores lembraram que o empresário Joesley Batista, que saiu do país e foi afastado da presidência do conselho de administração da JBS depois da delação premiada na qual fez graves acusações ao presidente Michel Temer e a tantos outros políticos, estava na China antes de voltar ao Brasil, no dia 11 de junho.

Fontes do segmento dizem que outros grupos estrangeiros, como a americana Tyson Foods, têm interesse na Moy Park, e que a empresa também seria estratégica para a brasileira BRF, se esta estiver disposta a se alavancar mesmo em meio a seu processo de reestruturação da gestão. A companhia irlandesa é encarada, afinal, como uma base importante para uma plataforma de produção na União Europeia. Tanto é assim que sua venda não fazia parte dos planos da JBS antes da delação. Pelo contrário: a companhia pretendia crescer na Europa, com carnes de frango e suína, a partir da Moy Park. Em entrevista ao Valor em 2015, Wesley Batista, CEO da JBS, disse que via oportunidades de aquisições na França, na Espanha e na Itália.

Do restante do novo "pacote" colocado à venda - a JBS já havia anunciado a venda, por US$ 300 milhões, de nove frigoríficos em Argentina, Paraguai e Uruguai para a também brasileira Minerva -, aparentemente o ativo que tem maior liquidez é a Five Rivers.

No mercado, a avaliação é que o negócio pode atrair fundos estrangeiros que desejam investir em uma operação de renda fixa. Com capacidade estática para abrigar mais de 1 milhão de cabeças de gado - informações disponível no site da subsidiária da JBS -, a companhia controlada pela JBS USA é vista como um negócio de pouco risco para os compradores: o boi engordado na Five Rivers tem como destino natural os próprios frigoríficos da JBS nos Estados Unidos.

Já a participação de 19,2% da JBS na Vigor pode ser um negócio mais difícil, até porque a fatia restante pertence à J&F. A holding tenta vender a empresa de lácteos desde o ano passado - muito antes, portanto, da delação. A reportagem apurou que na fase inicial de prospecção, a Vigor foi oferecida à Cutrale, que preferiu continuar focada em suco de laranja, banana e soja, seus principais negócios. Posteriormente, a americana PepsiCo chegou a oferecer R$ 6 bilhões.

Se a J&F conseguisse hoje obter o pela Vigor o mesmo valor oferecido no início do ano pela PepsiCo - o que muitos no mercado duvidam, por conta da exposição negativa da companhia e do maior poder de barganha que os interessados passaram a ter -, a JBS conseguiria, por sua fatia, quase R$ 1,2 bilhão. Além da PepsiCo, a J&F tem mantido conversas para uma eventual venda da Vigor com as francesas Lactalis e Danone, com a mexicana Lala e também com a Coca-Cola, segundo fontes do mercado. PepsiCo e Danone não responderam a pedidos de entrevista. A Coca-Cola informou que não há negociação em curso, e a Lactalis afirmou que são "especulações de mercado e não pode comentar".

Em comunicado, a JBS informou que a venda dos ativos está sujeita à aprovação prévia do conselho de administração e à prévia anuência da BNDESPar.



Fonte: Valor Econômico
Autor: Redação



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: