Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quarta-feira, 18/10/2017
Siga-nos:
Fórum
CLIPPINGS
Campinas, SP, 19/06/2017 |

Milho: negociações caminham lentamente no mercado interno



As cotações do milho praticadas no mercado interno apresentaram ligeiras modificações na última semana. Em São Gabriel do Oeste (MS), o preço caiu 5%, com a saca do milho a R$ 19,00. Já no Oeste na Bahia, a queda ficou em 4,26%, com a saca a R$ 22,50.

Ainda em Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, a saca recuou 2,63% e encerrou a semana a R$ 18,50. Na região de Campinas (SP), a queda ficou em 1,85% e a saca cotada a R$ 26,60. No Porto de Paranaguá, o preço futuro caiu 1,69%, com a saca a R$ 29,00. Na contramão desse cenário, em Tangará da Serra (MT), o valor praticado subiu 3,03%, com a saca a R$ 17,00.

As negociações ainda caminham lentamente no mercado interno. O foco continua sendo a chegada da safrinha de milho no mercado. No maior estado produtor do cereal, o Mato Grosso, a colheita já está completa em 12,12% da área cultivada, segundo levantamento do Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) reportado nesta sexta-feira. No mesmo período do ano anterior, o índice estava em 10,33%.

No Paraná, a colheita chega a 1%, conforme dados do Deral (Departamento de Economia Rural). Em torno de 93% das lavouras estão em boas condições, 6% apresentam condições medianas e 1% têm condições ruins.

Além disso, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) continua com as operações de apoio à comercialização do cereal produzido em Mato Grosso. Até o momento, as três operações Pep (Prêmio para Escoamento de Produto), Pepro (Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural) e os contratos de opção, já negociaram 3,5 milhões de toneladas.

Inclusive em algumas regiões, os leilões têm contribuído para a sustentação dos preços praticados, como é o caso de Tangará da Serra (MT). “Se não fossem os leilões teríamos valores bem abaixo dos custos de produção. E as operações têm movimentado o mercado local nos últimos dias”, destaca o diretor do Sindicato Rural, Clóvis Félix de Paula.



Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Fernanda Custódio



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: