Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Segunda-feira, 18/12/2017
Siga-nos:
CLIPPINGS
Categoria: Mercado

São Paulo, SP, 26/05/2017 |

GPA começa a mudar modelo comercial



O Grupo Pão de Açúcar (GPA) dá um primeiro passo num modelo de operação que pode mudar, no longo prazo, a forma como a varejista negocia com a indústria. O movimento ocorre num período de acirrada disputa por mercado, especialmente entre redes do GPA e do Carrefour.

A companhia anunciou ontem o lançamento de um aplicativo para as redes Extra e Pão de Açúcar, que permite à indústria apresentar ofertas diretamente aos consumidores, sem interferência da loja. O mercado brasileiro é o primeiro em que o controlador do GPA, o grupo francês Casino, testa a iniciativa. Um total de 25 indústrias começa, no próximo mês, a acionar um site no qual selecionará quais produtos quer ofertar e para qual perfil de clientes.

Será possível ao fabricante escolher, por exemplo, a região ou a cidade do país que pretende atingir para determinada promoção e buscar quais clientes compram com frequência lançamentos ou ofertas. O sistema informa, então, o público que deve ser atingido pela ação, o investimento feito na oferta e a expectativa de venda com a operação.

No próprio site, o fabricante dá o sinal verde para a oferta customizada - que tem prazo de validade de 15 dias. O GPA dispara as promoções para o público selecionado entre os 12,5 milhões de clientes cadastrados nos programas de fidelidade do Pão de Açúcar Mais e do Clube Extra. O sistema promete descontos regulares de pelo menos 20% (podendo chegar a 100%) em 60 categorias de produtos. Parte dessas informações sobre o perfil do cliente, que serão disponibilizadas para os fabricantes no site do GPA, foram colhidas pelo grupo nos últimos anos, em seus dois programas de fidelidade.

O consumidor receberá no mínimo 30 ofertas e no máximo 120 - serão duas ofertas para cada categoria de produto, em média. O cliente precisa aceitar comprar o produto pelo valor apresentado no aplicativo e, quando for à loja, o preço promocional será automaticamente detectado quando a mercadoria passar pelo caixa. Farão parte desse projeto, na área alimentar, as redes de hipermercados e de supermercados Extra, Minimercado Extra, Pão de Açúcar e Minuto Pão de Açúcar - com 782 lojas. Haverá ações específicas nos pontos de venda e na mídia para que consumidores baixem o aplicativo, chamado "Meu Desconto".

Jorge Faiçal, diretor de gestão de categoria e marketing do GPA Alimentar, disse ontem que a intenção é trazer tráfego para lojas, ampliando o volume vendido e ganhando escala. "A pretensão não é aumentar rentabilidade, mesmo que isso tenda a acontecer com volumes maiores. A ideia é aumentar o 'share of wallet' [participação das vendas do grupo nas vendas mensais das famílias]. Calculamos que uma família média tem gasto mensal de R$ 1 mil nos supermercados e visita sete lojas no mês. Nosso 'share' é de R$ 200. Queremos aumentar isso", diz.

A indústria deve dar descontos de no mínimo 20% no aplicativo para um conjunto de produtos que, nas lojas, tem promoções de 12% a 15%. Quem "bancará" o desconto será o fabricante, não o GPA. Dessa forma, o varejista tenta proteger suas margens com o produto e pode até compensar eventual perda em outra categoria (política do "high and low"). Participaram das conversas com a rede empresas como Unilever, Nestlé, P&G e Ambev.

Um primeiro teste foi feito com 60 mil funcionários do GPA em março. Ao fim de abril, 10% baixaram o aplicativo e dos 10%, 60% comprou algum produto.

Um dos principais efeitos dessa iniciativa deve ser o desenvolvimento de um novo modelo de negociação comercial. É que, pelo formato atual, existente há décadas, a indústria paga verbas publicitárias, de em média 3% sobre o valor do contrato, para que a loja promova ações com produtos (em TV, folhetos etc). Com ações diretamente no aplicativo, o GPA diz que os investimentos em mídia tradicional tendem a cair, assim como essa cobrança da indústria. Isso pode ser uma economia de custo para os fabricantes - o que estimularia as empresas a apoiar o formato de venda digital.

"Estamos mudando as relações com fornecedores, reduzindo atritos e esse incentivo perverso de concentrar compras no fim do mês. É um sistema ineficiente e parte dessa estrutura de custos deve ser reduzida", afirmou ontem Luis Moreno, vice-presidente de negócios do multivarejo do GPA.

A expectativa da empresa é que 20% da atual base de clientes cadastrados nos programas de fidelidade do grupo baixem o aplicativo novo até o fim do ano.

Para especialistas ouvidos, a iniciativa é um avanço nos modelos em vigor e deve gerar reação da concorrência. Além disso, afirmam que a iniciativa "protege" a indústria e o varejo, porque impede que o consumidor que não usa o aplicativo descubra que está pagando mais que o cliente que usa. A intenção do GPA é que essa vantagem gere mais fluxo de clientes para o novo sistema.

"Quando o concorrente descobrir que o cliente do Extra vai pagar R$ 10,99 pelo quilo do Omo em pó [no aplicativo], ele vai querer da Unilever o mesmo preço para o seu site. Deve gerar reação", diz Manoel Antônio de Araujo, diretor da consultoria Martinez de Araújo. O Carrefour informou ontem, em minuto de prospecto preliminar de oferta de ações no país, que passará a vender alimentos pela internet no segundo semestre.



Fonte: Valor Econômico
Autor: Adriana Mattos



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: