Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Sexta-feira, 17/11/2017
Siga-nos:
CLIPPINGS
Categoria: Empresas

São Paulo, 19/05/2017 |

Delação empurra JBS para os Estados Unidos



A estratégia da JBS para atravessar a tormenta em que foi colocada após a explosiva delação premiada de seus controladores depende - e muito - dos Estados Unidos. Envolta em incertezas sobre a permanência dos irmãos Batista à frente da companhia e o valor das multas que terão de ser pagas, a empresa conta com o potencial de geração de caixa no mercado americano para resistir aos salovancos no curto prazo. No longo prazo, a migração para os EUA ganha mais força.

Mais do que isso: a decisão da família Batista de fechar a delação premiada foi amparada na intenção de garantir a sobrevivência do grupo no exterior, especialmente nos Estados Unidos. Mas, para assegurar a execução do plano, a empresa e seus controladores precisam se acertar com o Departamento de Justiça dos EUA (DoJ), o que está sendo negociado paralelamente aos acordos no Brasil.

Cerca de 70% das operações da JBS já estão no exterior. Nos EUA são mais de 56 fábricas de processamento de carne e quase metade das vendas globais. Em dezembro, o grupo aprovou a realização de uma oferta inicial de ações na Bolsa de Nova York, dentro de um amplo processo de reorganização para sacramentar a internacionalização do grupo. A empresa que abrirá o capital é a JBS Foods International, com sede na Holanda e que deterá todos os negócios internacionais da JBS e a Seara, uma de suas unidades de negócio

Com tudo o que veio à tona, o IPO está suspenso. Para uma fonte próxima da empresa, a velocidade da retomada do projeto, que continua nos planos, dependerá do escopo do acordo com o DoJ.

Ainda no ano passado, o grupo tentou migrar sua sede para a Irlanda, como parte desse plano, mas a mudança foi vetada pelo BNDES, cujo braço de participação BNDESPar tem 21,3% da JBS. O banco considerou que a transferência da sede significaria a "desnacionalização" da empresa. A criação da subsidiária holandesa foi a maneira encontrada pela JBS para contornar o veto, e de fato o BNDES aprovou publicamente a opção encontrada.

A esperança acalentada por pessoas próximas aos Batista é que, com as delações, a empresa consiga limpar sua imagem, livrando-se de dúvidas do mercado financeiro que contaminam o valor das suas ações.

Hoje não está claro como ficará o comando da empresa no Brasil e no exterior. Num cenário de afastamento do irmãos Batista, a JBS tem alternativas de substituição na própria família e também no quadro de executivos. Em setembro do ano passado, quando Wesley e Joesley foram afastados temporariamente devido à Operação Greenfield, o irmão mais velho, José Batista Júnior, assumiu interinamente a presidência da JBS. Mas a suspensão durou apenas um dia.

No quadro de executivos da própria JBS, um nome que desponta é o do vice-presidente global de operações da JBS, Gilberto Tomazoni. Executivo da confiança de Wesley, Tomazoni já foi indicado como o CEO da JBS Foods International. Outro nome forte é o de André Nogueira, que hoje comanda as operações da JBS nos EUA.

No noite de ontem, Joesley divulgou uma carta pública na qual pede desculpas pelos "erros" que vieram à tona. "Não honramos nossos valores quando tivemos que interagir, em diversos momentos, com o Poder Público brasileiro. E não nos orgulhamos disso", afirma. Na carta, o empresário também realçou a relevância que as operações internacionais deverão ter para a companhia.

Para Joesley, o que a companhia faz fora do país é exemplo para o que deverá ser a empresa no mercado interno. "Em outros países fora do Brasil, fomos capazes de expandir nossos negócios sem transgredir valores éticos", acrescenta o empresário.

A narrativa da JBS é uma tentativa de blindar as operações no exterior, justamente o coração dos negócios da subsidiária da JBS Foods International. A subsidiária sediada na Holanda reúne todas as operações da JBS, exceto a área de carne bovina no Brasil. Com isso, os Estados Unidos se tornam ainda mais importantes.

No curto prazo, os EUA também são o trunfo da companhia, conforme analistas. "Quando o negócio de bovinos nos EUA está gerando caixa, a empresa gera caixa. E esse é o caso agora", afirmou uma fonte, enfatizando que a JBS USA Beef é a frente de negócios mais relevante da empresa, responsável por 40% da receita líquida e 25% do Ebitda.

De fato, as perspectivas para esse negócio são positivas, provavelmente as melhores desde que a JBS aportou nos EUA, em 2007. Após anos com o preço do boi gordo nas alturas por conta de uma severa estiagem e do consumo mais fraco em razão da crise mundial, a oferta de gado finalmente se recompôs, e a demanda agora está aquecida.

Nesse cenário, as operações nos EUA devem dar uma contribuição "robusta" para a JBS no segundo semestre, como Wesley Batista indicou na terça-feira, em teleconferência com analistas. A partir dos EUA, a JBS espera reduzir seu índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda), que chegou a 4,2 vezes.

No Brasil, no entanto, há desafios, principalmente no negócio de bovinos. Diante do perfil conservador dos pecuaristas, a avaliação de empresários e executivos do segmento consultados pelo Valor mé que muitos deles só venderão boi à vista para a companhia. Normalmente, o prazo de pagamento é 30 dias. "Isso machuca o capital de giro", avaliou um executivo do setor.

Mas há atenuantes. Na prática, observou um analista, a empresa já tinha adotado prazos de pagamento mais curtos por causa da reação dos pecuaristas à Operação Carne Fraca e também ao frequente noticiário policial envolvendo sobretudo a J&F, controladora da empresa.

Além disso, vale notar que a JBS Mercosul - que reúne as operações de carne bovina na América do Sul - representa apenas 16,5% da receita da empresa. Ainda no Brasil, as perspectivas da Seara são melhores. Com a queda dos preços do milho, há um alívio dos custos de produção, o que reduz a necessidade de capital de giro para esse negócio. Em geral, os grãos representam em torno de 30% dos custos de produção da indústria de carne de frango e carne suína.






Fonte: Valor Econômico
Autor: Luiz Henrique Mendes e Vanessa Adachi



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: