Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Domingo, 18/02/2018
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
Avicultura aprende a fazer mais com menos




Campinas, 18/01/2018 | 08:33

Fonte: AviSite | Autor: Redação

A partir dos números mensais da APINCO é possível concluir que o número de cabeças de frango abatidas em 2017 (pintos alojados com viabilidade média de 96% e abate com, também em média, 42 dias de idade) recuou cerca de 3,5% em 2017.

No entanto, pelas projeções da própria APINCO, o volume produzido de carne de frango, embora igualmente inferior ao de 2016, recuou 2,7% - quase um ponto percentual a menos que a redução apontada no número de cabeças abatidas. Ou seja: fez-se mais carne com menor número de cabeças, o que, em suma, significa aumento de produtividade.

Porém, a produtividade obtida foi maior que a apontada nessas projeções – diz o mercado. E, no decorrer de 2017, o AviSite fez, mais de uma vez, menção a isso.

Consultada, a APINCO concorda: diz que, ainda no primeiro semestre, nos contatos com o mercado, detectou elevação significativa de peso nos frangos abatidos pelo setor. Isto sem contar que os exportadores reduziram sensivelmente a produção de “grillers” – decisão que, ao eliminar o abate precoce, redunda em aumento de peso dessas aves. Ou seja: um frango que, originalmente, teria, abatido, peso máximo de três libras (1,360 kg) passa a pesar, no mínimo, 1 kg a mais.

A APINCO explica que, embora essas mudanças tenham sido confirmadas no decorrer de 2017, preferiu “não mudar as regras no meio do campeonato” – manteve suas projeções dentro dos parâmetros anteriores, ainda que constatasse estarem defasados. Mas irá atualizá-los em 2018, aplicando os novos padrões retroativamente aos dados de 2017.

Em suma, a adoção de padrões mais realistas para a projeção da produção de carne de frango deve resultar na constatação de que o volume produzido em 2017 foi bem maior que o apontado a partir dos parâmetros anteriores. O que não muda é o número de cabeças abatidas – o que reforça ainda mais a tese de que a indústria do frango vem produzindo mais com menos.

Mas a questão não se esgota aí. Embora não estejam disponíveis dados oficiais a respeito, há indicações de que o plantel reprodutor de frangos (matrizes de corte) alojado no decorrer de 2017 manteve-se no mesmo nível observado em 2016. E se isso realmente ocorreu, será o quarto ano consecutivo de estabilidade no plantel base da produção de carne de frango.

Ou seja: produz-se mais carne de frango não apenas com menos pintos comerciais, mas também com menos reprodutoras. O que – esclareça-se – é ocorrência praticamente inédita, pois, quase invariavelmente, a avicultura de corte tem operado com altos níveis de ociosidade .

Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!






NOTÍCIAS RELACIONADAS

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: