Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Domingo, 21/01/2018
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
Milho: pela primeira vez, suprimento superior a 100 milhões/t




Campinas, 15/05/2017 | 08:32

Fonte: AviSite | Autor: Redação

A despeito de 2017 ter sido iniciado com o menor estoque inicial de milho dos últimos três anos e apesar das previsões de um recuo de 85% na importação do grão, a CONAB estima que o suprimento da corrente safra atingirá o maior nível da história, superando pela primeira vez a marca dos 100 milhões de toneladas.

Esse resultado, naturalmente, é reflexo do excepcional aumento da produção no corrente exercício – quase 93 milhões de toneladas pela previsão de maio corrente, volume que ainda pode superar em mais de 40% a frustrada safra de 2016 e que, na projeção atual, se encontra perto de 10% acima do recorde anterior, 84,672 milhões de toneladas na safra 2014/15.

Assim, somados estoques iniciais, importação e produção chega-se aos 101,3 milhões de toneladas de milho, volume que garante um suprimento total mais de um quarto superior ao da safra anterior, mas que se encontra apenas 4% acima do suprimento registrado duas safras atrás. Ou seja: exceto pelo fato de superar os 100 milhões/t, o suprimento não é tão expressivo quanto aparenta à primeira vista.

Note-se, aliás, que em relação ao consumo a CONAB está prevendo um crescimento (ainda duvidoso) de 5%, incremento que demandaria 56,1 milhões de toneladas do grão. Mas ainda que essa expansão ocorra, o consumo interno continuará inferior (-1,13%) ao de 2015.

Outra projeção ainda duvidosa diz respeito às exportações, em relação às quais a CONAB estima que cheguem aos 26 milhões de toneladas, quase 38% a mais que em 2016. Não serve ainda de referência, mas não custa observar que no primeiro quadrimestre de 2017 o total exportado não chegou aos 2,4 milhões de toneladas, correspondendo a menos de 20% do que se exportou em idêntico período do ano passado.

Em outras palavras, o efeito de um consumo reprimido e de exportações abaixo das expectativas recai sobre o estoque final que, no ano-safra encerrado em 31 de janeiro de 2018, pode superar os 20 milhões de toneladas. Será, também, um novo recorde e representará, provavelmente, o dobro do estoque final de dois anos atrás.

Naturalmente, isso tende a se refletir nos preços internos – algo que, em qualquer situação, não é bom nem para o produtor nem para o consumidor. De toda forma, está demonstrado que o País pode produzir muito mais que o alcançado até aqui e se inserir, de vez, no mercado internacional.

Como ocorreu com a soja, cuja produção, neste ano (113 milhões/t), deve praticamente empatar com a dos EUA (177 milhões/t segundo o USDA). Mas no tocante ao milho, ainda estamos longe. Pois a produção ora prevista pelo USDA para o Brasil (96 milhões/t) corresponde a, exatamente, um quarto das 385 milhões/t estimadas para os EUA na safra 2016/17.


Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!






NOTÍCIAS RELACIONADAS

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: