Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Fórum
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Sábado, 24/06/2017
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
Grandes importadores de frango dentro de uma década

Campinas, 24/02/2017 | 08:23
Fonte: AviSite | Autor: Redação

Os números do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) apontando as tendências de importação de carnes avícolas (frango e peru, exclusivamente) nestes próximos 10 anos (2017 a 2026) sugerem que não haverá mudanças no rol dos 10 principais países importadores. O que há, sim, é alteração da posição ocupada por alguns deles em 2016.

O México, por exemplo, tende a permanecer na mesma primeira posição. O mesmo, porém, não deve ocorrer com o Japão, atual segundo maior importador mundial, que pode recuar para o terceiro posto. Neste caso, trocaria de posição com a Arábia Saudita, que subiria do terceiro para o segundo lugar.

Entre os 10 primeiros atuais a maior expansão é prevista para as Filipinas: mais de 60%. Já a maior redução – quase 56% a menos – recairá sobre a Rússia, país que poucos anos atrás liderava as importações mundiais de carnes avícolas. Segundo o USDA, a queda se deve não apenas ao aumento da produção interna, mas também a uma lenta evolução da demanda, afetada pelas dificuldades econômicas do país.

Apesar dessa redução e do incremento mínimo do Japão (+3,35%), em 10 anos os principais importadores deverão aumentar suas compras em quase 22%. Mas terão sua participação no total importado reduzida de 51% para 48%.

E quem avança, neste caso, são os blocos de países importadores relacionados pela USDA – que tendem a manter a mesma posição ocupada em 2016, mas devem aumentar suas importações em quase 38% e, com isso, elevar a participação atual de 48,9% para 52% do total.

Aqui, a maior expansão é prevista para os países do Norte da África, cujas importações tendem a dobrar em 2026, crescendo 102%. Porém, o maior incremento nominal deve ser o do Oriente Médio, cujo volume adicional (558 mil toneladas) representa quase 30% do adicional importado pelo conjunto desses blocos (1,889 milhão de toneladas a mais em 2026).


Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!






NOTÍCIAS RELACIONADAS

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS











NOSSOS PARCEIROS
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail:
REVISTA ONLINE