Edição 100
10 Anos
Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Aplicativos
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quarta-feira, 18/10/2017
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
Carnes avícolas: tendência das exportações em uma década




Campinas, 23/02/2017 | 08:17

Fonte: AviSite | Autor: Redação

Daqui a 10 anos, os três principais exportadores mundiais de carnes avícolas (essencialmente, carne de frango e de peru) serão não só os mesmos de 2016 como também manterão a posição presente. Ou seja: a liderança continuará com o Brasil, seguido pelos EUA e pelo bloco de países que, então, estarão compondo a União Europeia. Mas os níveis de participação serão diferentes dos atuais.

Baseado nos resultados (preliminares) de 2016, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) projetou a evolução das exportações de carne de frango de 2017 a 2026 entre os principais “players” do setor – o que envolve, além do trio já mencionado, a Tailândia, países da ex-União Soviética (excetuada a Rússia), China, Turquia e aqueles que o USDA denomina, excetuando o Brasil, de “outros sul-americanos”.

Por essas projeções, quem registrará maior expansão – em valores relativos – serão exatamente os “outros sul-americanos”: em uma década, 63,33% de incremento no volume exportado. Na sequência vem outro bloco de países, os ex-integrantes da União Soviética, neste caso excetuada a Rússia, com perto de 50% de expansão.

O terceiro maior índice de incremento é previsto para a Tailândia que, nestes próximos 10 anos, tende a aumentar suas exportações em 48,5%. E só na sequência vem o Brasil, com expansão projetada em 41,27%.

Apesar, porém, do quarto lugar, as exportações brasileiras tendem a evoluir acima da média projetada para todo esse grupo de exportadores (+29,67%) e acima, também, do que é esperado das exportações norte-americanas (+21,84%), das europeias – incremento de apenas 3,67%, o que equivale a uma expansão negativa em relação ao crescimento vegetativo da população importadora – e, por fim, da China, o único grande exportador a fechar a década com exportações menores que as de 2016.

Nessas projeções, o Brasil é um caso à parte. Em 2021 – isto é, em cerca de quatro anos – tende a superar a marca dos cinco milhões de toneladas anuais. E do adicional de carnes avícolas previsto para 2026 – 3,311 milhões de toneladas a mais que em 2016 – quase 54% serão de origem brasileira.

Se esses desempenhos se confirmarem, a participação brasileira estará aumentando cerca de 9% e passando de 38,67% do total para 42,13% do total. Neste caso, a participação dos EUA recuará em torno de 6% e a da União Europeia cerca de 20%.

Os demais exportadores tendem a registrar incremento de 4,2%. Mas por conta, apenas, dos aumentos de participação da Tailândia (+14,53%), dos países da extinta União Soviética (+15,20%) e, sobretudo, dos “outros sul-americanos”. Ou seja: devem perder participação Turquia e China, esta última experimentando redução superior a 35%.


Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!






NOTÍCIAS RELACIONADAS

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: